quarta-feira, 13 de junho de 2012

A mulher

Escrever para ela era compor músicas em palavras.
Reger uma orquestra de vogais e consoantes.
Nascera com certo vínculo de afeto através das palavras, seria herança do poeta avô?
Era apenas através dela que sentia viva sua existência. Seu mundo.
Não importava se era real, imaginário ou simbólico.
Aprendera sobre tríades anos antes do agora.
Conhecia Pierce e Lacan. O Linguista e o Lógico.
Ambos trabalhavam tríades interligadas. Um sistema matemático, onde pequena área pertenciam simultaneamente a 3 conjuntos.
A iconografia de sua vida era essa tríade. Havia nela sempre quelque chose de triangular e era constante batalha separar o joio do trigo.
Amava a literatura de seus dias. Deliciava-se com seu otimismo, generosidade e Complexo de Poliana Moça.
Sim, ela era a esperança de um dia após o outro.
Apesar do apesar.
Todavia, isso fora na época das incertezas, antes de "re-conhecer" seu nome próprio, antes de entender sua matriz mais primordial, herança familiar.
Antes de Deus se fazer Sol em sua vida.
Antes do tempo em que aprendeu a ser MULHER, a tornar-se uma.
Porque descobrira que A mulher não é seios protuberantes e pêlos púbicos. Menarca alguma no mundo transforma menina em MULHER.
Esta, se conquista, só no pouco a pouco. Com o tempo, como o bom vinho.
Mirava de leve espectro o reflexo forte que se formava no lago e um frio lhe percorreu a espinha, do cóccix à nuca.
Teria ela o fim de Narciso?


3 comentários:

Gizelda disse...

Narciso, não...Fênix!
Autoconhecer-se tem preço.

O que me proponho a contar parece fácil e à mão de todos. Mas a sua elaboração é muito difícil. Pois tenho que tornar nítido o que está quase apagado e que mal vejo.
Com mãos de dedos duros enlameados apalpar o invisível na própria lama
(A Hora da Estrela).
Beijo

Vamn disse...

Sim... me identificando muito com as questões de existência do narrador... Lendo tudo devagar... degustando cada palavra... com marca-texto em mãos...
Não estou achando Clarice difícil, mas elaborada!
Usando suas palavras em relação à Desassossego e Colera, gostaria de ter escrito A hora da estrela até onde parei!!!!!!!
Bjs

Vamn disse...

Em tempo, autoconhecer-se não tem preço, tem VALOR! bjks